9 de maio de 2017

Das coisas mais bonitas que já vi

Uma beleza inexplicável. Tudo surge dali, mas não é ali que termina.
Os olhos se enchem de água sem tristeza alguma.
O peito expira longamente a força contida do ar.
A garganta pede passagem como se precisasse abrir-se ao meio.

Todos os sentidos se banham de beleza áurea e, ainda assim, não há necessidade alguma de posse.
Não é algo que é meu e precise morar em um pote. Isso seria egoísmo. E egoísmo não tem lá muita utilidade.

Um sentimento de afeto tão puro e unilateral que a admiração por si só já sacia.
A felicidade reside na continuidade e não no tato das mãos. Sentir o perfume de perto pouco importa se o perfume durar para sempre. E assim nem um pingo de egoísmo mancharia tão suave beleza.

Não é "deixar ir para que um dia volte". A gente nem percebe, mas sempre acaba personalizando tudo.

A admiração e a beleza podem andar de mãos dadas sem riscar a nossa própria face. A gente é que numera e insiste em competir. Mas nada disso de fato importa.

A beleza não nos acerta como soco. Ela nos preenche como ar. A gente pode até achar que a encontramos fora, no outro. Mas nunca saberíamos reconhecê-la se já não a tivéssemos conosco.

Birth of Venus (detalhe) 1486 -  Sandro Botticelli

1 de maio de 2017

O que tinha antes de tudo isso

"Qual a diferença que fazemos no mundo? Por que será que estamos aqui? Será que temos um destino maior que nos será revelado em breve ou a nossa simples existência já modifica o todo? Não sei bem ao certo o que pensar. Quando eu tinha meus 12 anos achava que tudo que fosse pra ser, seria, mesmo sem eu desejar. Achava que o amor viria até mim sem eu precisar me mexer. Mas pouco tempo atrás eu percebi que o amor vem quando estamos desarmados, quando nos abrimos e sentimos um pequeno medo ao contar sobre a nossa vida. São nesses momentos que acontecem as coisas mais importantes. Talvez o problema maior esteja no tempo. Porque assim como o tempo mudou meus conceitos, muda o conceito e o sentimento de todo mundo. E por mais que o tempo passe, e por mais que as mudanças aconteçam, sempre sobram vestígios de como era antes."

O lado bom de ter uma memória "ruim", porém ser acumuladora é encontrar pistas que eu deixei pra trás e não me lembrava mais. Esse texto que escrevi há quase 10 anos (21/11/2008) achei em um caderno no meio da minha bagunça e talvez tenha sido a fagulha que iniciou todo o processo em que me vejo inserida hoje.

Sempre foi uma necessidade quase que gritante encontrar referências em coisas/pessoas em que eu pudesse me identificar ou que me indicassem quem realmente sou. Esse "grito" foi lentamente suavizando à medida que eu comecei a por tudo em palavras e, finalmente, comecei a me "ler". Primeiro aqui, no blog em 2009. E depois, beeem depois, comecei a falar por mim mesma. É estranho imaginar alguém muda durante tantos anos, mas dizer coisas com a boca não significa de fato "se expressar". E essa última tarefa é a que venho aprendendo um pouco mais.

Hoje o "grito" virou um sussurro e a minha própria voz vem ganhando mais volume. Não é uma tarefa fácil: eu não nasci pronta e estou tentando me construir com toda a força que possuo, lutando contra aquilo que já haviam, inclusive, construído por mim. Também não é uma tarefa rápida: os textos que escrevi estão datados pra que eu possa me lembrar justamente disso todos os dias. Mas é uma tarefa que vem preenchendo os meus dias, cada um deles, com algo a buscar.

Eu ainda não tenho nenhuma das respostas em que buscava quando tinha 18 anos. Mas, intuitivamente, sei que irei olhar pra trás algum dia e conseguir juntar todos os vestígios.

Memory (1948) - Rene Magritte

30 de janeiro de 2017

A dor de não aceitar a continuidade

O fato de o ser humano muitas vezes se sentir superior ou alheio à natureza ofusca um entendimento natural da própria vida.

Nos momentos em que o coração está machucado e a mente cheia de dúvidas, se nega a perceber que esse é um estado temporário, que "a tempestade sempre passa". E se surpreende quando isso de fato acontece. Da mesma forma, a felicidade não é duradoura ou contínua e é frustrante esperar que ela realmente seja. Por mais que tudo esteja aparentemente em ordem consigo, há um mundo inteiro se movendo e imprimindo as maiores dores e alegrias diariamente.

A flor de um ipê aberta no auge do verão talvez não saiba que vai cair e morrer. Aparentemente, no inverno ela desaparece e não volta mais. Mas, nós aqui de fora, sabemos que não é bem assim. A flor se esconde no chão, mas irá novamente brotar na próxima estação.

O que seria da flor se ela não quisesse mais ser flor? Se não quisesse mais continuar? Há uma dor imensa na recusa de ser. Não controlamos os ciclos e nos afetamos por eles, sem saber que também somos flor aberta e exuberante, como também somos semente introspectiva debaixo da terra.

O declínio de nossos ciclos pode ser visível ou latente, mas sempre está ali de várias formas: o fim de um relacionamento, a saída de um emprego, a indecisão de caminhos com um diploma na mão, a morte de alguém que amamos.

Talvez a compreensão do valor dos declínios não seja possível à nossa mente hoje, nesse momento em que vivemos no mundo. Mas a natureza parece não falhar... e sempre nos entrega uma nova primavera.

Em um mundo de frio emocional e inverno interior, talvez não tenhamos conhecido a primavera ainda. Mas que possamos sempre contar com a sua chegada.

Mesmo que seja só dentro da gente.


6 de outubro de 2016

Móbil

Seguir em frente dói. O estado natural dos corpos sempre tenderá ao conforto e ao chão firme (ou às vezes à uma cama quentinha em casa). Então, geralmente, seguir em frente realmente dói.

É como os dentes do siso que você sabe que precisam sair dali. Arrancá-los é tão difícil quanto deixá-los. Ainda mais porque o momento de dar adeus aos dentes vai chegar justamente naquela viagem, naquele show ou na coisa mais legal que poderia acontecer no ano inteiro.

Seguir em frente dói como chegar exausto de um dia em que todas as suas forças foram consumidas pelos outros e não sobrou nada pra você mesmo. Mas você precisa ter forças. Você precisa fazer coisas e tomar decisões mesmo que elas sejam difíceis, novas ou amedrontadoras.

Seguir em frente é particularmente difícil nesses dias.

Seguir será difícil porque serão necessários muitos “não”, poucos “sim” e vários “estou com medo”. E cada escolha feita irá pairar como uma espada sobre o seu dia te fazendo pensar “por que eu comecei isso, mesmo? ”.

É difícil seguir em frente porque você vai ter que se olhar no espelho e aceitar que este rosto e este corpo não são seus por acaso, mas sim porque só você saberá o que é melhor pra ele. E somente você poderá fazer algo por si mesmo na maioria das vezes.

Seguir em frente é difícil porque quando você estiver só começando vão surgir milhões de problemas no caminho (e eles nem estavam ali há um minuto atrás).

Seguir em frente sempre será contra o vento e tomar impulso cansa tanto quanto aumenta o desejo de voltar pra cama quentinha de casa.

Você pode até achar que alguém vai te impulsionar ou avisar o momento certo de seguir em frente. Esse alguém pode nunca chegar, mas também não precisa de pressa. Você mesmo saberá o exato momento de seguir em frente. Será o momento em que irá doer tudo e com tanta força que o único alívio será seguir.



12 de setembro de 2016

O som mais bonito do mundo

Não faz muito tempo - apesar de eu não identificar o exato momento - acabei descobrindo o som mais bonito do mundo. Talvez a descoberta não tenha surgido em um estalo, mas gradativamente o som foi ficando mais familiar pra mim. Foi como se, ao ouvir, eu tenha me deparado com sua existência bem ali do meu lado.

Até ali eu tinha um nervosismo contido, uma ansiedade muda. É estranho colocar em palavras coisas que eu achava que faziam parte do que eu sou. Mas era mais ou menos isso: uma inquietude que, por ter surgido do nada, eu não sabia que estava ali havia tanto tempo. Essa sensação me fazia entrar em uma busca incessante por significado até nas coisas mais simples. E, ao não encontrar nada disso, nem compreender os sentimentos - principalmente os meus - eu me tornava totalmente avessa à eles. Eu era consciente da indiferença, do desdém que eu mesma construía.

E então surgiu o som, tão quente e tão leve, capaz de flutuar no topo do mais alto muro já construído. Um som que vinha em forma de riso e que não buscava nada mais complexo do que isso. A minha mente ainda dava várias voltas tentando decifrar o que estava na minha frente, tentando montar um quebra cabeça provavelmente muito complexo. Mas não existia complexidade. Não havia quebra cabeça algum. Era tudo muito simples e claro. Eu só precisava entender que nem tudo estava escondido, nem tudo estava longe e nem tudo era difícil de se alcançar. Não haviam mais altos e baixos. Enfim era tudo equilíbrio.

Muitas coisas não tem começo nem fim exatos. Não tem forma, quantidade ou extensão. Algumas coisas também não são tão complexas quanto a gente faz ser. Todo o meu esforço em compreender, ponderar e decifrar sentimentos seria em vão se eu não conseguisse reconhecer o som mais bonito do mundo que, ao chegar aos meus ouvidos, me faria querer sorrir também.


Little Oil Art

20 de julho de 2016

Cabo de guerra

Todo dia uma nova luta.
Todo dia esperam que eu escolha um dos lados, que eu me posicione.
A todo momento esperam de mim opiniões. Sobre tudo, sobre todos, sobre o que eu nem conheço.
Na minha frente, o botão vermelho e o botão verde. Escolha agora.

Todo terreno está parecendo muito delicado de pisar. Cada pessoa tem experiências distintas, reage de forma diferente aos fatos, às coisas que acontecem no mundo hoje. O que eu acho correto agora é fruto de muitos fatores e experiências particulares. E elas vão mudando conforme eu vou mudando. Então, como saberei se estou certa? E se eu morasse na Índia, pensaria da mesma forma? E se eu vivesse no século passado? Será que vou pensar o mesmo daqui 5 minutos?

Aqui eu me esforço pro visitante que chegou em casa não tirar os sapatos pra entrar. Do outro lado do mundo isso seria desconfortável. Aqui me dizem que é vantagem aplicar o mínimo esforço na maioria das vezes. Em algum outro lugar do mundo a vantagem é aplicar o máximo esforço em quantas vezes forem necessárias.

Eu estou certa? Eu estou errada? Nestas coisas, depende. Posso travar uma árdua batalha sobre como as coisas são por aqui e acabar empatando miseravelmente, pois, em outro lugar do mundo essas mesmas coisas não fariam o menor sentido.

Só posso concluir, então, que não sei tudo. Aliás, eu sei bem pouco. Então talvez eu esteja discutindo as coisas erradas. Talvez algumas respostas, para essas perguntas e tantas outras, sejam "depende". Depende do que você viveu.

Mudar as perguntas e cada vez mais buscar o consenso parece ser a saída ideal. Não o consenso imposto, mas sim algo que venha de dentro. Consenso esse em que todas as ideias possam ser ouvidas, todas as particularidades sejam consideradas e o que é "certo" possa ser aplicado a todos, sem distinção... Pois, qualquer coisa diferente disso não deve ser tão certa assim.

Christian Schloe

24 de maio de 2016

Mirrors II

Conheça a si mesmo. Torne isso a sua missão. Faça disso a coisa mais preciosa que tens. Conheça o seu corpo, todos os detalhes. Entenda seus sentimentos. E entenda como eles funcionam. Ao que eles reagem? O que move você? O que te paralisa?

Converse consigo mesmo. Procure se conhecer, ainda que seja mais fácil e rápido entender os outros. Volte seus olhos para si, ainda que seja mais fácil se esconder.

Descubra pelo que o seu coração bate de verdade. Tente sentir as coisas com o seu coração. Não deixe que te digam ou que te ensinem sobre o que você deve se importar.

Não deixe que te digam o que comprar.
Não deixe que te digam o que combina com você.
Não deixe que te digam a quem deve amar ou deixar para trás.
Não deixe que você mesmo se boicote.
Nunca deixe que alguém te diga o que é importante pra você.

Todos estão perdidos. Mas se você se encontrar dentro de si, nunca mais se sentirá sozinho.