26 de julho de 2011

ao acordar.

Isso me dá um alívio: se não fosse por aqui, onde eu cuspiria todas essas injúrias, preces, palavras arrancadas? Não se conversa tão sutilmente assim com qualquer um...
Se não fosse por aqui, como eu espalharia todos os pontos de interrogação da minha mente? Simplesmente joguei alguns deles nas últimas coisas que escrevi, e eles continuam lá... procurando por um ponto final, uma reticência, que seja.

É só pegar a dor e "mensurar" no papel, não é mesmo?
Vou fechar meus olhos e guardar o peso não compartilhado de mais um dia, dormir com o desejo de ter algo novo pra pensar...

Aquela sensação

de falta de ar de novo...
Sabe quando se tem um continente inteiro dentro de si que ninguém habita? Ninguém descobre? Ninguém retorna?
Acho que na queda perdi meu medo junto com a minha fé.

25 de julho de 2011

Seja com o sol, seja com a lua...

"O Sol foi ficando triste.
- Pequenina, pequenina. A minha luz aquece, alimenta. Se eu partisse, os animais, as plantas e tudo o que existe morreria. A Terra se tornaria uma bola de gelo, sem vida. Como eu poderia fugir com você?
- Mas eu o vejo morrer todas as tardes. Será que você não pensa em mim? Nosso amor é sempre despedidas. E despedidas ... - soluçou a Lua.
- Eu morro todas as tardes, para que você nasça todas as noites. Como você poderia brilhar se eu não partisse?"

Era uma vez o sol, era uma vez a lua - 1993

Eu lia muito esse livrinho quando tinha uns 8 anos, chegava a esconder na estante da biblioteca hsausua Lembrei dele só agora, depois de tanto tempo. Era tão simples a história e me deixava pensando tanto... Era um amor tão bonito e tão difícil por depender de tantas outras coisas... A história é curtinha, li em 5 minutos graças a uma linda que digitou no blog dela. Tá ai: http://dhayestrelas.blogspot.com/2011/03/era-uma-vez-o-sol-era-uma-vez-lua.html

"Ai, ai... - suspirava a lua".

24 de julho de 2011

Das pessoas e da falta delas.

Se é culpada por querer tanto algo que nunca virá?
Brinco com as mãos, mexo o cabelo e espero depois de tão cansada buscar.
Se vem já me põe um sorriso no rosto, mas não vem. E quem viria?
Frases de Clarice Lispector não serviriam de nada agora.
Nem depois, nem nunca. Ter um coração que quer dizer o que ninguém disse é complicado...

On Cherry Hill there's a house...



...Turn on the light
I'm running for my life
This is a horror story
I don't wanna be inside.
Oh what a night, I'm running out of time
Trapped inside a nightmare
Will I make it out alive?

[ Cherry Hill - The Creepshow ]

22 de julho de 2011

Sem mais lamentos. Sem mais memórias.

E este conceito não viverá mais entre nós... Isto é
definitivo. Então é tempo de rever o desenho do que
deve ou não, deve ou não. Sem mais lamentos. Sem mais
memórias. Isto é para corações que ainda podem bater e
demonstrar um pouco mais do que abraços e beijos no
rosto. Só assim o que mantemos será intenso e agregará
valor... Sem mais lamentos. Sem mais memórias. Isto é
para corações que ainda podem bater..



Como afogar-se e tornar a sentir o ar. Como algo que não pode ser
alcançado e ao final o é. Como afogar-se e tornar a
sentir o ar. Como algo que não pode ser alcançado e ao
final o é. Tudo está acabado. Tudo está.

[ Tutti Finito - Nunca Inverno ]

Essa é uma das letras mais fodas que eu já vi!

21 de julho de 2011

14 de julho de 2011

Dear Future Me

Há um ano eu escrevi um e-mail pra mim mesma contando como eu estava me sentindo naquele dia, naquela época. Eu usei um site em que se programa a data pra enviar o e-mail, e fiz pra ser exatamente um ano depois. Nem me lembrava mais disso e é engraçado ver como as coisas mudam...

Dear FutureMe,

Hoje dia 14 de julho de 2010 faz um mês que já tenho 20 anos... Não me acostumei ainda, mas nunca estive tão bem como agora! Depois de alguns tropeços na vida me fechei tanto que não tinha percebido como quando as coisas estão bem, sorrir é muito fácil. Eu tive o melhor dias dos namorados da minha vida! Meu aniversário foi um dos únicos que me senti feliz de verdade. Foram os melhores dias que vivi... Tive tanta atenção e carinho que me fez sentir muito bem! Ganhei presentes sim, mas o melhor presente foi receber o amor de quem eu achei que nunca me amaria. Uma mudança tão irresistível que agora (e eu espero que nesse futuro aí também) eu não consigo mais me imaginar sem. As coisas estão assim, como "um país das maravilhas"...
"Gatinho Risonho", disse Alice, "poderia dizer-me, por favor, que caminho devo tomar agora?"
Hoje deve ser seu desaniversário, aproveite! (;


Bom, se hoje é meu desaniversário como eu escrevi (inspirada pelo filme da Alice, acredito) devo comemorar algumas coisas: tive outro aniversário dos melhores mesmo, por motivos tão diferentes... o dia dos namorados foi algo como o dia dos namorados é: se você namora está feliz, se não namora é um dia pra se comer pizza e ver um filmezinho (tão bom quanto!), depois de aprender a "sorrir fácil" me enfureci e me magoei com a mesma facilidade, me enganei com mudanças nem um pouco saudáveis e irresistíveis... estou sozinha mas continuo respirando.
Eu acreditei em mudanças nos outros e em vão... Mas me sinto bem por apenas agradecer ao que já me é dado.
Não vou mais perguntar qual caminho tomar... vou seguir a placa que disser "mais longe".
Se quiser pode vir também, gatinho risonho.

13 de julho de 2011

Capítulo III

Viver é tão melhor do que morrer por dentro, não? Sorrir com uns caquinhos na mão de uma rotina deixada de lado. Pensar em tudo é bom e é ruim. Tão clichê reescrever histórias que elas se tornar rascunhos... e tanto tempo pensando no roteiro faz as coisas não acontecerem. Pra ver como é gradual, eu até mudei, acredito. Apesar que continuo não gostando de telefone, continuo traduzindo letras, continuo dormindo tarde (ou nem tanto agora), continuo "viajando" nos baixos e guturais, continuo sussurrando os gritos da minha mente... mas como pesar "vidas", "sinais", "fugas"?

É bom ter uma força te puxando pra longe do espelho, do reflexo, da duplicidade. O ontem não é suficiente pelo tanto de hoje que espero... viver à passos ruidosos, fincando bandeiras, correndo na chuva, sorrindo pras estrelas, que nos permitem querê-las e jamais tê-las.

12 de julho de 2011

Descer na próxima parada.




You throw yourself into their arms
Mistresses have all the fun
But no one's ever there to take you home.

[ Where There's Gold - Dashboard Confessional ]

6 de julho de 2011

Safe



E se temos medo é porque já nos machucamos (fomos machucados)...
Não há cura, há sim algo que nos faz sentir bem, mesmo com os curativos...
Há a presença, o interesse, a sensação de que não estamos sozinhos, afinal.

5 de julho de 2011

Anti-perfeccionismo

Não confio em quem não erra, em quem não tem duvidas. Não confio em quem tem certeza de si, “já sei quem sou e aonde vou”. Eu até lamento por você, pois eu... eu tenho duvidas, tenho medo e não tenho algumas coisas que preciso. Eu ainda não sei tudo, por isso não quero nem saber, agora. Tenho perguntas e elas se respondem todo dia e aí surgem novas. E assim a gente vive. Quem já fez tudo certo, já sabe o que é, já tem tudo que precisa pode puxar a cadeira e sentar. Olhar pela janela e admirar a vida dos perdidos nas buscas. Quem não precisa mudar nadinha de nada pode empacotar o seu dia-a-dia e dá-lo de presente a quem queira tamanha perfeição. Pode esperar a hora chegar, enquanto nós... nós vamos atrás do que não sabemos. Nós nos perdemos nas buscas. Nós não somos perfeitos, e adoramos.




Perfeição não se completa, não indaga, não instiga, não se transgride. Perfeição não precisa de ninguém. Perfeição é um erro lindo, trágico e solitário.

2 de julho de 2011

Viver é juntar peças

Manhãs, tardes e noites são diferentes quando penso o que outra pessoa poderia estar fazendo.



Imagem de uma exposição da Yoko Ono sobre como ela se sentia ao se levantar e não encontrar John Lennon ao lado.